Inseminação Artificial (IA)

A inseminação artificial é uma técnica simples de reprodução assistida, realizada na EquiCelll Reprodução Equina, que traz inúmeras vantagens para a utilização tanto da égua quanto do garanhão.

A técnica tem como objetivo a introdução do sêmen por meio de uma pipeta para dentro do útero da égua em um momento próximo da ovulação

Para isso, as éguas a serem inseminadas são submetidas ao controle reprodutivo através de palpação retal e ultrassonografia.

O controle se faz com a frequência necessária para se determinar o melhor momento para realizar a inseminação.

Com o auxílio do ultrassom as alterações fisiológicas dos ovários e útero podem ser observados de maneira eficiente e segura para a reprodutora. O exame dos ovários nos revela a presença do folículo maduro, prestes a ovular. Este é o momento aguardado para se realizar a inseminação.

O sêmen do garanhão é então coletado com auxilio de vagina artificial, manipulado e avaliado no laboratório. Somente após a verificação da qualidade do sêmen fresco é que a reprodutora é inseminada.

Desta forma, um mesmo ejaculado que seria depositado todo dentro de apenas uma égua na monta natural pode ser dividido para até 6 ou mais éguas dependendo do número de espermatozoides vivos.

Para a égua, todas estas etapas promovem grandes vantagens, uma vez que um volume reduzido de sêmen e a diluição nestes meios comerciais reduzem a chance de endometrites (inflamação uterina).

Além destas vantagens que são inerentes a técnica, a utilização da inseminação artificial reduz riscos de acidentes com a égua, potro ao pé e garanhão durante a monta natural ou transporte.

Temos ainda a opção da utilização do sêmen resfriado ou congelado.

Após a inseminação o exame ultrassonografico continua sendo realizado na reprodutora, desta vez para se verificar a ovulação, momento em que o folículo se rompe e libera o óvulo, que será fertilizado pelo espermatozoide colocado no útero da reprodutora pela inseminação artificial.

Caso não tenha ocorrido a ovulação nas 48 horas após a inseminação, a reprodutora é inseminada novamente.

Após 11 a 15 dias da ovulação, será realizado o primeiro exame ultrassonográfico para a detecção da prenhes.

Rotineiramente serão realizados exames utrassonograficos para acompanhar o desenvolvimento do embrião.